× Capa Meu Diário Textos Áudios Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
- Mentoria para Escritores -
Anderson Julio Lobone
Escritor - Ghost Writer - Story Coach - Biógrafo - Produtor
Textos
           Não tinha jeito. O dia havia amanhecido e eu teria que trabalhar. Mesmo diante do anúncio de uma pandemia, as obrigações ainda existiam, pelo menos por enquanto.
       Entrei no escritório às oito da manhã. Não sabia muito bem o que esperar. Lá fora, cientistas discutiam a periculosidade do corona vírus, sem haver certeza de nada. O presidente dizia tratar-se de uma gripezinha e um monte de gente doida começou a discutir a pandemia nas redes sociais como se tivessem doutorado em infectologia.
          Mantive-me concentrado na desanimadora burocracia do serviço. Lá pelas quatro da tarde, o chefe chegou com uma cara estranha. Não que ele já não fosse meio estranho em essência, mas estava bem mais esquisito. Num tom pouco elegante e olhando fixamente para mim, disse: - É, agora fudeu!
           Minha expressão de espanto com aquela afirmação fez com que Juvenal – o contínuo - soltasse uma gargalhada. O semblante severo do chefe logo tratou de desmontar sua risada. Perguntei o que  tinha acontecido.
- Estamos vivendo uma situação pandêmica - respondeu.
     O barulho do teclado de Juvenal revelava que ele estava procurando no Google o que significava "uma situação pandêmica". 
- Isso vai se espalhar pelo mundo e quem não se cuidar vai morrer. Vamos ter que fechar o escritório até sabermos o que vai acontecer – afirmou, em pânico.
              O silêncio entrou num modo que eu chamaria de "a pleno vapor". Sim, um silêncio "a pleno vapor". Um verdadeiro grito de carnaval silencioso acontecia na cabeça de todos os funcionários. Dorotéia – responsável pelo RH - começou a tossir, intensamente. Juvenal me olhava com uma cara de quem já queria estar bêbado na praia. E Cristina - sínica como poucos - fingia que não estava gostando da ideia de ficar sem fazer nada em casa.
- Vamos ficar isolados nas nossas residências e esperar para saber o que os cientistas vão dizer. Não se sabe nada sobre esse vírus – determinou o chefe..
         Em questão de segundos, todos já tinha se mandado do escritório. Recolhi minhas coisas, apaguei as luzes e fechei a porta. No hall de entrada, o chefe olhava para o vazio. Dei-lhe um pequeno tapa em suas costas, lhe dizendo para não esmorecer e que tudo ficaria bem. Ele deu um salto, disse para não encostar nele e saiu correndo atrás de um pode de álcool gel.
                A caminho de casa, olhei as ruas vazias e os comércios fechados. A sensação de não saber o que viveríamos nos dias seguintes era angustiante. Para aliviar, fixei meu pensamento nas coisas boas. Ver séries na tv, preparar pratos que gostava e ter mais tempo para ficar com minha companheira. Afinal, algo me dizia que um longo ciclo estava se iniciando.
 
 
Anderson Julio Lobone
Enviado por Anderson Julio Lobone em 10/09/2020
Alterado em 16/09/2020
Comentários